Title Image

Conversa 2
Para além das quotas, que práticas artísticas?

Espaço Alkantara
1 junho 2023 | 18h30-20h30
Com
David Cabecinha, Diana Niepce, Piny e Tânia Guerreiro
Mediação
Elisabete Paiva

Nos últimos anos, muito graças ao ativismo de artistas e profissionais da cultura de comunidades sub-representadas, a que se aliaram outras pessoas, a questão da representatividade tornou-se o epicentro de discussões acesas e desafiantes sobre criação e programação cultural. Nesta conversa, propomos olhar para além da dimensão social e política e contribuir para o conhecimento e discussão das práticas e linguagens artísticas desenvolvidas neste processo.

 

  • Que metodologias e poéticas são estas?
  • Que desafios trazem para a programação?
  • Onde se encontram a política e a investigação artística?

 

Este debate acontece no âmbito do seminário de Estratégias de Programação do CGPAE – Curso de Gestão/Produção das Artes do Espetáculo do Forum Dança.

 

Entrada livre, sujeita à lotação dos espaços e mediante inscrição prévia no formulário disponível aqui.

 

Número máximo de participantes: 40

Biografias

David Cabecinha (1987) é licenciado em teatro, ramo atores, na Escola Superior de Teatro e Cinema (Lisboa). Trabalha regularmente nas artes performativas e em cinema desde 2008, como dramaturgista, coargumentista, ator, produtor e assistente de realização/encenação. No seu percurso colaborou com companhias de teatro como a mala voadora, com coreógrafas e coreógrafos como Dinis Machado, Rita Natálio e João dos Santos Martins e realizadores com Jorge Jácome e Carlos Conceição. Entre 2016 e 2017 assumiu a direcção artística do festival Temps d’Images Lisboa, onde promoveu uma programação de experimentação por artistas emergentes e artistas consolidados, como Vera Mantero e Apichatpong Weerasethakul. Em 2018 assume a direção artística do Alkantara, com Carla Nobre Sousa, onde defende a diversificação das programações culturais e promove diálogos para futuros mais acessíveis e inclusivos, a partir das artes performativas.

 

Diana Niepce, Aveiro, 1985. Bailarina, coreógrafa e escritora, formou-se na Escola Superior de Dança, fez Erasmus na Teatterikorkeakoulun (em Helsínquia), e mestrado em Arte e Comunicação na Universidade Nova de Lisboa. É artista associada do Espaço do Tempo e criadora das peças “Forgotten Fog” (2015), “Raw a nude” (2019), “12 979 Dias” (2019), “Dueto” (2020), “T4” (2020), “Anda, Diana” (Prémio SPA, 2021) e “O outro lado da dança” (2022). Enquanto bailarina e performer colaborou com artistas nacionais e internacionais. Curadora e formadora da Formação de introdução às artes performativas para artistas com deficiência (2020) e Fora da Norma (2023) na Biblioteca de Marvila/CML. As suas publicações mais recentes são o artigo “Experimentar o corpo” no jornal Coreia, o livro “Anda, Diana” (ed. Sistema Solar) e a história “Partidos e fedidos, são os calhaus.” para a Rota Memorial do Convento.

 

PINY, nascida em 1981 em Lisboa, é performer, coreógrafa, pesquisadora e professora de práticas mistas. Feminista interseccional e ativista. O seu estudo tem sido centrado em fusões de danças da zona MENAT e danças de rua e clubbing. É licenciada em arquitetura e dança contemporânea. Fundou o coletivo ButterflieSoulflow, as Soulflow DJs, o coletivo Orchidaceae e o projeto Vogue PT.Chapter.
Como performer tem trabalhado para diferentes artistas como Tiago Guedes, Victor Hugo Pontes, Tânia Carvalho, Filipa Francisco, Ricardo Ambrózio, Cristina Planas Leitão e Marco da Silva Ferreira. Como coreógrafa destaca a peça “Periférico” colaboração com Vhils e “Hip. a pussy point of view e o seu novo trabalho “.G Rito”.

 

Tânia M. Guerreiro, nascida em Lisboa (1975), é produtora e curadora de performance e dança. É licenciada em Cenografia pela Escola Superior de Teatro e Cinema, tendo terminado o curso no Institut del Teatre, em Barcelona (1996-1998). Fez o curso de Intermedia na Escola Massana, em Barcelona, e de Gestão/Produção no Forum Dança, em 1999. Trabalhou em várias áreas da produção de espectáculos, cinema, artes visuais e festivais, como o Festival Atlântico, Temps d’Images, Alkantara, Casa d’Os Dias da Água, O Som e A Fúria, ZDB, Jangada de Pedra, onde desempenhou funções de produção, gestão, angariação de financiamentos, desenvolvimento de projectos europeus e comunicação. Entre 2009 e 2010, desempenhou funções de coordenação executiva na REDE – Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea e, entre 2016 e 2017, foi presidente da Direção da REDE. Em 2009 cria a Associação Produções Independentes (PI) onde produz e desenvolve colaborações com diversos artistas independentes, como Jonas&Lander, Rui Catalão, Carlota Lagido, Diana Niepce, Tiago Vieira e Bernardo Chatillon. Actualmente, a PI colabora com Rui Catalão, Carlota Lagido, Tiago Vieira e Bernardo Chatillon. Em 2017 criou a associação ORG.I.A – Organização, Pesquisa e Artes, onde dá apoio e consultoria a vários artistas emergentes e experimentais e cria eventos e programas de criação em dança. Nesse mesmo ano, ganhou o prémio Natércia Campos para Melhor Produtora Cultural. Colaborou na programação das actividades da Transforma (Imagine 2020 e outros eventos) e do Fiar – Festival Internacional de Arte de Rua em Palmela. Foi júri durante 2 anos do programa Curtas de Dança/Kale/Teatro Municipal do Porto – (pequenos espectáculos coreográficos). Criou o projecto Self-Mistake em 2019 que promove a criação artística, num contexto de experimentação e de risco, nas áreas da dança e da performance contemporânea. Criou, fez a curadoria e produziu o Dançar é a Minha Revolução (evento de um dia com vários espectáculos) desde 2019, com 3 edições, e o programa Peep Show (Espectáculos em contexto de intimidade). No âmbito do programa Self-Mistake apoia vários artistas emergentes com bolsas, acompanhamento e apoio ao seu trabalho.

 

Elisabete Paiva, licenciada em Produção Teatral e Mestre em Estudos de Teatro. Trabalhou como produtora com Luís Castro, Teatro do Vestido e Pedro Sena Nunes. Foi responsável pelo Serviço Educativo do Centro Cultural Vila Flor (2006 a 2014), na sequência de experiências marcantes de cruzamento entre criação, educação e território no CENTA – Centro de Estudos de Novas Tendências Artísticas (2003–2005). Concebeu e programou o Serviço Educativo de Guimarães 2012 CEC e atualmente é Diretora Artística do Festival Materiais Diversos.